Archive for the ‘Fut Fem no Mundo’ Category

Fase final confere experiência crucial

Junho 29, 2009
alemanha

A Alemanha festejou a revalidação do título em Nyon (©sportsfile)

O Campeonato Europeu Feminino de Sub-17 – cuja fase final da edição 2008/09 decorreu em Nyon, na última semana – confere às jovens jogadoras que nele participam uma experiência fundamental para o sucesso das suas carreiras futuras.

A importância de uma fase final
A natureza especial de uma fase final como a realizada em Nyon oferece às jogadoras uma ideia do que as espera nos seus próximos passos no futebol feminino, como explicou Béatrice von Siebenthal, treinadora da selecção nacional feminina da Suíça e observadora técnica da UEFA, durante o evento.

Evolução das jogadoras
“A presença numa fase final é fundamental para o desenvolvimento de uma jogadora a este nível”, referiu ao uefa.com. “São provas muito especiais do ponto de vista mental, com muitos espectadores a assistirem aos jogos e cobertura televisiva. As jogadoras sabem-no e isso ajuda-as a lidar com situações semelhantes no futuro”.

Grandes progressos
A fase final disputada na passada semana – a segunda de um Europeu Feminino de Sub-17 organizado pela UEFA – voltou a demonstrar grandes progressos na vertente feminina do futebol, em particular ao nível jovem. “O futebol entre as raparigas sofreu um desenvolvimento significativo: assistimos a jogos muito interessantes, de excelente nível para este escalão etário”, lembrou Von Siebenthal. “As jogadoras estão a ficar mais fortes e experientes, porque disputam mais encontros do que antigamente”.

Excelência alemã
A Alemanha conquistou o título pela segunda vez consecutiva, com duas excelentes exibições, frente à França (vitória por 4-1, nas meias-finais) e Espanha (triunfo por 7-0, na final). A seleccionadora suíça não poupou elogios às germânicas, em particular ao seu poderio ofensivo, determinante na conquista do troféu.

Maturidade
“A Alemanha demonstra já uma enorme maturidade na sua forma de jogar, é impressionante”, destacou Von Siebenthal. “Jogam para marcar golos, sempre ao ataque, mas são igualmente muito organizadas na defesa. Toda a gente sabe qual o seu papel em campo e é incrível como já o aprenderam com esta idade”.

In pt.uefa.com

Suspeita de gripe suína adia jogos de equipe feminina de futebol

Junho 27, 2009

O clube Saad informou que as próximas duas partidas de sua equipe feminina foram adiadas pela Federação Paulista de Futebol por causa da suspeita de que algumas atletas estejam com a gripe suína –a chamada gripe A (H1N1).

Segundo a agremiação, a atleta Ritinha, que defendeu recentemente a seleção brasileira das Forças Armadas nos Estados Unidos, manifestou fortes sintomas de gripe.

Após esse caso, outras oito jogadoras apresentaram sintomas como febre, dor de cabeça e certa dificuldade para respirar, e foram afastadas dos treinamentos.

Os resultados dos exames das jogadoras devem ficar prontos na próxima segunda-feira. Até essa data, a Secretaria de Saúde de Avaré colocou a equipe toda de quarentena.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta sexta-feira que foram registrados no Brasil 70 novos casos da gripe suína –a chamada gripe A (H1N1)–, o que eleva para 522 casos confirmados no país.

São 66.696 casos em todo o mundo, com 306 mortes, segundo o ministro. Os Estados Unidos seguem na frente, com mais de 27.700 casos e 127 mortes. No Brasil, dos 522 casos, 50% estão em São Paulo, com 260 pessoas contaminadas. Minas Gerais e Rio de Janeiro ficam atrás com 65 e 52 casos respectivamente.

In http://www.olhardireto.com.br/

Detalhes dos media

Junho 26, 2009

u_19

A UEFA divulgou os detalhes dos media para a fase final do Campeonato da Europa Feminino de Sub-19, a disputar na Bielorrússia (em Minsk, Borisov e Molodechno) entre 13 (segunda-feira) e 25 (sábado) de Julho.

Dois grupos de quatro
Os vencedores dos seis grupos da segunda pré-eliminatória, o melhor segundo classificado (Suécia) e o país anfitrião (Bielorrússia) foram sorteados em dois grupos de quatro:-
Grupo A: Bielorrússia, Suíça, França, Alemanha
Grupo B: Suécia, Inglaterra, Islândia, Noruega

Cinco estádios
Todos os jogos da fase de grupos e as duas meias-finais serão disputadas em cinco estádios diferentes espalhados pelas três cidades-anfitriãs, com a final a ter lugar no sábado, dia 25 de Julho, no Estádio Gorodskoi, em Borisov. O canal Eurosport irá transmitir em directo uma meia-final e a final.

Acreditações
Os representantes dos media que desejem marcar presença na fase final deverão contactar a Federação Bielorrussa de Futebol e solicitar a devida acreditação através de email para press@bff.by, indicando ‘WOMEN’S UNDER-19’ no assunto. O prazo para os pedidos é 7 de Julho de 2009.

In pt.uefa.com

Penalty d-Tech: Chegou a bola inteligente

Junho 26, 2009

Penalty_d_Tech

É luta antiga do futebol, mas vai ter os primeiros resultados no voleibol. O campeonato brasileiro do próximo ano vai testar uma nova bola, uma bola inteligente. A ideia é determinar se os pontos são válidos ou não, à semelhança do que acontece com o olho de falcão do ténis.

Um sistema que, a fazer escola, pode chegar depois ao futebol e acabar com dúvidas como as dos benfiquistas naquele lance protagonizado por Vítor Baía em pleno estádio da Luz, em 2005. No voleibol, os casos polémicos têm menos mediatismo, até porque o sistema de pontuação (à melhor de cinco sets, sendo cada um decidido aos 25 pontos, com excepção do quinto, que termina aos 15) permite diluir um eventual erro de arbitragem. No entanto, o título feminino brasileiro de 2007/08 teria um vencedor diferente caso o Penalty d-Tech já estivesse em funcionamento.

Mas, afinal, que sistema é este? Criada em 2004, esta bola inteligente surgiu pelas mãos de uma empresa brasileira que inicialmente tinha como objectivo criar um sistema para ajudar os árbitros auxiliares no futebol a decidirem se a bola entrou ou não na baliza. A ideia esmoreceu por esses lances serem raros, mas pouco depois Roberto Stefano, presidente da empresa, encontrou Ari Graça, presidente da Confederação Brasileira de Voleibol, e iniciou uma ligação que vai agora ter resultados práticos.

A primeira versão do sistema, em 2006, apresentava uma margem de erro de 33%, ou seja, a precisão do local onde a bola tinha batido no solo tinha uma variação de nove centímetros para cada lado da linha. A evolução tecnológica entretanto operada acabou por eliminar esse problema. Os chips ficaram mais pequenos e foi possível introduzi-los dentro das bolas. Também foi adicionado um sistema de câmaras, como complemento à radiofrequência. Após cinco anos de desenvolvimento e mais de 1,5 milhões de euros gastos, o d-Tech foi apresentado oficialmente a 18 de Abril e deve fazer a sua estreia já na próxima edição da Superliga brasileira.

O que é o sistema Penalty d-Tech?

Uma bola com um chip. Por jogo são utilizadas três, ficando uma quarta de reserva. O chip é inserido numa cápsula, dentro da bola, com uma bateria com capacidade de aguentar até seis horas. Quando a bola bate no chão, o chip transmite a informação do toque para oito antenas RFID (identificador por radiofrequência) distribuídas aos pares pelos quatro cantos do terreno de jogo. Quando a bola passa pelo campo electromagnético criado pelas antenas, emite um sinal, transmitido a um computador, que activa seis câmaras de alta precisão, a cerca de dois metros das linhas finais. As câmaras recebem o sinal das antenas e geram a imagem da bola duvidosa. A confirmação do lance é enviada para um palm top, em poder do primeiro árbitro. No caso de a bola ser fora, recebe um sinal vermelho.

Declarações

VELINO AZEVEDO (Árbitro internacional português)
“Se ajuda, é positivo”

“Todos os meios que venham auxiliar os árbitros são positivos. Desde que se comprove a eficácia, são bem-vindos. É em tempo real, confirma as decisões e dá para diminuir os erros. A percepção de uma bola fora depende, muitas vezes, do ângulo. De uma bancada parece dentro e da outra já é fora. Este sistema é mais rigoroso e acaba por ajudar os próprios juízes de linha, que se podem concentrar noutras funções, como comprovar os toques na bola ou conferir as legalidades dos serviços (se um jogador pisa a linha ou não). Por isso, não esvazia as suas funções”.

HUGO SILVA (Treinador do Vilacondense)
“Não é imprescindível”

“Temos de nos adaptar às novas tecnologias. Não me parece um sistema imprescindível, mas é inegável que ajuda. Em determinados momentos do jogo, um ponto é crucial. Afecta não só o resultado como o ânimo de uma equipa. Mas situações polémicas são poucas”.

JOSÉ JARDIM (Treinador do Benfica)
“Mais objectividade”

“Sou a favor. Quanto mais objectividade, melhor. A determinado nível, muitas vezes os fiscais de linha são submetidos a uma pressão tremenda nos jogos decisivos e muitas vezes não estão preparados para a aguentar. E há alturas em que, por questões economicistas, a Federação nomeia fiscais de linha que são da área da equipa da casa. Este sistema pode prevenir a suspeição criada nesses casos. A minha dúvida está na rapidez e na eficiência. Por isso, sou a favor que se faça um teste”.

In O Jogo

UEFA transmite a paixão do futebol

Junho 26, 2009
Crianças tiram uma fotografia com o troféu da UEFA Champions League, na sede da UEFA (©UEFA)

Crianças tiram uma fotografia com o troféu da UEFA Champions League, na sede da UEFA (©UEFA)

A final do Campeonato da Europa Feminino de Sub-17, em Nyon, foi a oportunidade perfeita para promover a modalidade e deu às crianças locais a possibilidade de presenciar um grande torneio de futebol.

Visita à sede da UEFA
Cerca de 400 crianças, oriundas das escolas da zona, foram recebidas na sede da UEFA, onde assistiram a uma apresentação que lhes deu uma noção sobre como funciona a organização e quais as suas actividades. Os jovens – muitos deles envergando “t-shirts” do EURO Sub-17 Feminino – ficaram a saber como é que a UEFA trabalha, bem como as suas responsabilidades sociais, competições e, em particular, a importante campanha Respeito, que promove o fair play, a diversidade e a tolerância.

Fotografias com os troféus
Depois, os jovens tiveram a oportunidade de tirar fotografias com os troféus mais importantes do futebol europeu, incluindo o da UEFA Champions League, cobiçado pelos melhores jogadores mundiais. De seguida dirigiram-se para o Estádio Colovray, situado em frente à sede da UEFA, para assistirem à final do Campeonato da Europa de Sub-17 Feminino, entre Espanha e Alemanha, bem como ao encontro de atribuição dos terceiro e quarto lugares, entre a Noruega e a França.

Sessões de autógrafos
O embaixador do torneio, Reto Ziegler, médio internacional suíço e produto do futebol local, teve uma contribuição importante neste dia ao assinar autógrafos para os adeptos e participado na cerimónia de entrega do troféu e das medalhas após a final. Sessões de habilidades com a bola para as classes escolares, envolvendo antigos jogadores da primeira divisão helvética e elementos da selecção feminina suíça, também deram uma ajuda. O Fundo Mundial para a Natureza (WWF), parceiro de responsabilidade social da UEFA para o meio-ambiente, realizou uma exposição no estádio de Nyon, na qual endereçou mensagens importantes aos jovens espectadores.

Perguntas sobre futebol
Decorreu também ao longo dos dois dias de competição uma competição especial para os adeptos, na qual os espectadores responderam a perguntas sobre futebol e meio-ambiente. Os vencedores foram determinados por sorteio e vários prémios estiveram em disputa, como o livro de culinária para crianças Eat for Goals!, no qual jogadores de referência dão as suas receitas favoritas (clique aqui para mais detalhes).

In pt.uefa.com

Alemanha revalida título

Junho 25, 2009
As jogadoras alemãs comemoram a conquista de mais um título (©sportsfile)

As jogadoras alemãs comemoram a conquista de mais um título (©sportsfile)

A Alemanha revalidou o título de campeã europeia feminina de Sub-17, e de forma avassaladora, com a nova estrela da equipa, Kyra Malinowski, a marcar cinco golos na vitória categórica sobre a Espanha.

Domínio
Malinowski já tinha sido autora de um “hat-trick” na meia-final, frente à França, e o seu desempenho soberbo, juntamente com o protagonizado pelas restantes companheiras de equipa, entusiasmou o público presente em Nyon. A Alemanha teve uma exibição plena de ritmo, força e capacidade concretizadora, que a selecção adversária foi incapaz de conter. Trata-se da vitória mais dilatada numa final das competições da UEFA, e significa que a Alemanha conquistou todos os Campeonatos Europeus Femininos Sub-17 desde que a prova foi instituída, na época anterior.

Golo madrugador
Ambas as equipas principiaram o jogo de forma confiante, depois de triunfos nas meias-finais, e a Espanha quase alcançou uma liderança inesperada aos 15 segundos, quando um erro defensivo proporcionou o remate de Esther González, mas que foi desviado pela guardiã alemã, Anna Felicitas Sarholz. A Espanha pagou caro esse falhanço três minutos depois, quando Lynn Mester – uma das três sobreviventes da equipa do ano passado, juntamente com Carolin Simon e Claudia Götte – aproveitou um cruzamento de Ramona Petzelberger para cabecear a bola e fazê-la entrar junto à barra da baliza.

Vantagem ampliada
Impulsionada pelo golo madrugador, a Alemanha pressionou e, depois de Leonie Maier ter rematado ao lado, voltou a facturar, aos 17 minutos. A irrequieta Nicole Rolser movimentou-se pela direita e fez um cruzamento rasteiro para a área, onde Malinowski não perdoou. A Espanha estava claramente atordoada com o rumo dos acontecimentos e a guarda-redes Sandra Paños fez uma defesa a dois tempos, negando primeiro o golo a Mester e, na recarga, a Petzelberger. À beira do intervalo, Malinowski, em boa posição, podia ter marcado novamente, mas a bola saiu ao lado. A primeira parte terminou com Laura Gutiérrez a desviar em cima da linha um remate de Petzelberger, que levava o selo de golo.

Mais golos
Qualquer esperança da Espanha em recuperar ruiu dois minutos após o recomeço da partida. A impressionante Petzelberger e Mester combinaram na área para oferecer o golo a Malinowski, que desferiu um remate indefensável e aumentou a vantagem. Três minutos depois e já o marcador registava 4-0, após Malinowski irromper pela defensiva espanhola e rematar fora do alcance de Paños, fazendo o seu segundo “hat-trick” da semana. No entanto, ainda não tinha terminado.

Quinto de Malinowski
A jogadora haveria de marcar o quarto da sua conta pessoal – o quinto da Alemanha – cinco minutos depois, à medida que a resistência da Espanha era cada vez mais ténue, com Malinowski a desmarcar-se para receber o passe a rasgar de Rolser, e fazendo a bola passa por cima de Paños. A capitã espanhola, Anabel Martínez, que não tinha alinhado de início, mas que entrou para o lugar da lesionada Yazmina Rodríguez, no final da primeira parte, cometeu falta sobre Rolser para penalty, a 12 minutos do fim, permitindo o golo à capitã alemã, Johanna Elsig. A palavra final pertenceu, inevitavelmente, a Malinowski, quando, já perto do fim, aproveitou um mau alívio e, de ângulo apertado, selou o resultado final de um dia que ela e as colegas de equipa jamais esquecerão.

In pt.uefa.com

Treinador felicita campeãs

Junho 25, 2009
A Alemanha festeja a vitória categórica na final do Campeonato Europeu Feminino de Sub-17 (©sportsfile)

A Alemanha festeja a vitória categórica na final do Campeonato Europeu Feminino de Sub-17 (©sportsfile)

O seleccionador da Alemanha, Ralf Peter, viu a sua equipa revalidar o título de campeã europeia feminina Sub-17, com uma vitória sobre a Espanha, por 7-0 – com cinco golos de Kyra Malinowski -, mas disse que tudo podia ter sido diferente se tivessem sofrido um golo no primeiro minuto. Também se mostrou satisfeito por a sua equipa ter ultrapassado a pressão de ser considerada a crónica candidata à conquista do título. Ángel Vilda, da Espanha, afirmou que a Alemanha foi a melhor equipa e admitiu que já tinham feito muito ao eliminar a Noruega, por 2-0, na segunda-feira, atingindo a final.

Ralf Peter, treinador da Alemanha
Temos que ser honestos. A Espanha dispôs de uma excelente oportunidade no início do jogo, que a nossa guarda-redes defendeu de forma brilhante. Se tivessem marcado, o jogo poderia ter evoluído de outra maneira. No entanto, depois assumimos o controlo da partida e jogámos de forma excelente, especialmente a nível ofensivo. Criámos várias ocasiões de golo e marcámos várias vezes. Hoje estamos todos felizes porque jogámos o tipo de futebol que toda a gente, incluindo os adeptos que estiveram aqui presentes, queria ver. Não disse à Kyra para recuar para o meio-campo [depois de o seu quarto golo ter colocado o resultado em 5-0]. Ela é uma jogadora de equipa e queria fazer passes para golos das suas colegas, depois de ter sido tão bem-sucedida. Mas é o tipo de jogadora que ela é, e isso é algo que eu fiquei bastante satisfeito de ver.

Não sofro assim tanto com a pressão de ser considerado “o pai”, porque já aqui tinha estado a época passada, quando ganhámos. Obviamente partimos para este torneio como claros favoritos, e a equipa queria conquistar o título. Por isso, foi bastante interessante ver que elas sentiram a pressão e que estiveram nervosas nos primeiros minutos, mas agora a pressão desapareceu e estou satisfeito por aquilo que a equipa alcançou. Espero que algumas destas jogadoras possam representar a Alemanha noutros escalões. Existe bastante competitividade na Alemanha, mas este grupo de raparigas é muito talentoso. Estou convencido que algumas delas vão chegar à selecção principal se continuarem a trabalhar forte.

Ángel Vilda, treinador da Espanha
Temos de aceitar que a Alemanha foi claramente a melhor equipa. Foram um conjunto forte, tal como tínhamos previsto, mas acho que o resultado final não traduz a real diferença entre as duas equipas. Esforçámo-nos bastante frente à Noruega, na meia-final, física e psicologicamente, e os dois primeiros golos foram um rude golpe para nós. É claro que as raparigas vão aprender com isto, foi a primeira vez que jogaram contra uma equipa de alto nível durante 80 minutos. Esta experiência com certeza vai ajudar as jogadoras no futuro.

Esther González, atacante da Espanha
Não creio que o desfecho da partida tivesse sido diferente se eu tivesse marcado no primeiro minuto. Gostei desta experiência, disputámos muitos jogos juntas. Conseguimos chegar a uma final e não vamos esquecer este momento.

In pt.uefa.com

Ribeyra garante bronze para a França

Junho 25, 2009
Anaïs Ribeyra (à esquerda) comemora o segundo golo com Makan Traoré (©sportsfile)

Anaïs Ribeyra (à esquerda) comemora o segundo golo com Makan Traoré (©sportsfile)

Anaïs Ribeyra marcou dois golos nos últimos 14 minutos que permitiram à França garantir o terceiro lugar no Campeonato Europeu Feminino de Sub-17.

Final emocionante
Num jogo equilibrado, a Noruega adiantou-se no marcador aos 63 minutos, através da capitã de equipa Catherine Dekkerhus, mas Ribeyra fez o empate logo de seguida através de um cabeceamento. A mesma jogadora voltou a facturar a um minuto do fim, e a suplente Tatiana Solanet selou a vitória das vice-campeãs de 2008 com um remate de longe.

Oportunidades madrugadoras
A primeira oportunidade da partida pertenceu à Noruega, quando Maria Thorirsdottir rematou de cabeça ao poste, na sequência de um canto, aos nove minutos, e depois recuperou a bola no ressalto para voltar a colocá-la na área, onde Lisa-Marie Utland obrigou Camille Desforges a boa defesa. Cindy Thomas também esteve perto de marcar para a França, e Utland voltou a mostrar-se perdulária num disparo de cabeça, que saiu por cima.

Partida disputada
Ambas as equipas continuaram a criar oportunidades e a França esteve três vezes perto do golo, entre os minutos 19 e 24, através de Thomas, Makan Traoré e Maeva Clemaron, esta última num remate que ainda tocou na barra. A Noruega respondeu e, nos dez minutos que se seguiram, Desforges teve de defender remates de Emilie Haavi, Isabell Gjerde e Andrine Hegerberg.

Noruega em vantagem
O ritmo não abrandou após o intervalo, mas as francesas Anaïg Butel e Solanet não conseguiram bater Hilde Gunn Olsen, e seria mesmo a Noruega a marcar contra a corrente do jogo. A equipa gaulesa não conseguiu afastar uma bola vinda de um canto e, no ressalto, Dekkerhus não perdoou.

Recuperação
Ribeyra tinha rematado ao lado alguns segundos antes e, um minuto após o primeiro golo, viu novo disparo seu ser afastado em cima da linha por Thorirsdottir. No entanto, à terceira foi de vez e, aos 66 minutos, marcou num cabeceamento de cima para baixo após cruzamento de Butel. A França continuou a pressionar e Caroline La Villa e Ribeyra viram remates sucessivos devolvidos pelos postes. Finalmente, Ribeyra desviou um cruzamento de Traoré para o fundo da baliza e o tiro de Solanet enganou Olsen, que ainda assim realizou uma excelente exibição.

In pt.uefa.com

Rubio feliz com terceiro lugar

Junho 25, 2009
s jogadoras francesas festejam a vitória sobre a Noruega (©sportsfile)

s jogadoras francesas festejam a vitória sobre a Noruega (©sportsfile)

A França superou a desilusão da derrota por 4-1 sofrida na segunda-feira, diante da Alemanha, nas meias-finais do Campeonato Europeu Feminino de Sub-17, e bateu a Noruega no encontro de atribuição do terceiro lugar, dando a volta ao resultado graças a dois golos de Anaïs Ribeyra. O seleccionador francês, Paco Rubio, mostrou-se extremamente satisfeito com a forma como a sua equipa melhorou no segundo tempo, enquanto o técnico da Noruega, Tarjei Smågesjø, lamentou as oportunidades desperdiçadas, mas destacou alguns aspectos positivos retirados da participação da sua selecção nesta fase final.

Paco Rubio, seleccionador de França
Estou feliz, em especial pelas raparigas, pois elas mereciam muito este terceiro lugar. Chegaram aqui um pouco cansadas. Algumas delas não jogavam há três semanas. Tivemos uma grande decepção na segunda-feira e queríamos terminar a temporada com uma vitória, ou de outra forma tudo o que havíamos feito ao longo da época cairia no esquecimento. Creio que tivemos alguns problemas no meio-campo durante a primeira parte. Tive de fazer algumas correcções, queria que trocássemos mais a bola e estávamos a apostar demasiado nas bolas altas para o ataque. Quase tudo correu mal no primeiro tempo. Na segunda parte mudámos, reagimos e, apesar de termos sofrido um golo contra a corrente do jogo logo após o intervalo, penso que já tínhamos o jogo nas nossas mãos. As norueguesas também me pareceram algo cansadas.

As sete jogadoras [francesas] que não actuaram na segunda-feira foram esta tarde titulares. Todas mereciam uma oportunidade de jogar, tendo em conta a forma como a temporada correu. Colocámos nelas total confiança. O mais importante é que todas se sintam parte do grupo e que joguem. Tínhamos à nossa disposição uma equipa fantástica e as jogadoras não acusaram a derrota de segunda-feira. Mostraram-se determinadas em provar o seu valor. Temos quatro atletas nascidas em 1993, pelo que estamos já a olhar para o futuro e a fase de qualificação para a próxima edição começa já dentro de poucos meses, com equipas poderosas como a Islândia, Israel ou Alemanha.

Tarjei Smågesjø, seleccionador da Noruega
A primeira reacção é, obviamente, de desilusão. Apesar disso, estou satisfeito com o que alcançámos, e com a primeira parte que realizámos, na qual jogámos muito perto do nosso potencial. A este nível é fundamental aproveitar as oportunidades que se criam, pois um golo pode mudar o jogo. A importância de concretizar as oportunidades criadas, em especial diante de equipas de topo, é mais uma lição que levamos deste torneio.

Dado que tivemos 15 ocasiões de golo e só conseguimos marcar um, o quarto lugar é, obviamente, justo e temos de compreender que temos de desenvolver ainda mais o nosso jogo. Julgo que foi muito bom chegar até aqui, ganhámos muita experiência. O futebol aqui praticado foi de alto nível e, claro, temos o objectivo de voltar a marcar presença na fase final da próxima edição da prova.

In pt.uefa.com

Campeonato da Europa Feminino de Sub-17: Final

Junho 25, 2009

espanha_alemanha

Minuto a minuto

Começa o jogo.
1 Esther (Espanha) remata à baliza.
1 Canto apontado por Naiara (Espanha).
3 Petzelberger (Alemanha) marca o canto.
3 (0 – 1) Golo de Mester (Alemanha)!
4 Leire (Espanha) comete falta sobre Doppler (Alemanha).
7 Canto apontado por Naiara (Espanha).
12 Rolser (Alemanha) faz falta sobre Leticia Méndez (Espanha).
14 Maier (Alemanha) remata à baliza.
15 Leticia Méndez (Espanha) marca o canto.
17 Naiara (Espanha) faz falta.
17 (0 – 2) Golo de Malinowski (Alemanha)!
20 Amaia (Espanha) comete falta sobre Doppler (Alemanha).
21 Simon (Alemanha) faz falta sobre Amanda Sampedro (Espanha).
22 Yazmina (Espanha) faz falta.
22 O árbitro mostra o cartão amarelo a Yazmina (Espanha).
24 Rolser (Alemanha) comete falta sobre Naiara (Espanha).
25 Canto apontado por Naiara (Espanha).
27 Mester (Alemanha) remata à baliza.
27 Petzelberger (Alemanha) remata à baliza.
28 Yazmina (Espanha) faz falta sobre Malinowski ().
29 Leire (Espanha) faz falta.
31 Malinowski (Alemanha) comete falta sobre Yazmina (Espanha).
32 Malinowski (Alemanha) faz falta sobre Ana (Espanha).
35 Naiara (Espanha) faz falta.
37 Malinowski (Alemanha) é apanhado em fora-de-jogo
38 Malinowski (Alemanha) remata à baliza.
39 Naiara (Espanha) faz falta.
39 Petzelberger (Alemanha) remata à baliza.
40+1 Petzelberger (Alemanha) marca o canto.
40+2 Esther (Espanha) faz falta sobre Simon (Alemanha).
40+2 Ana Martínez (entra) – Yazmina (sai) (Espanha)
40+2 Canto apontado por Petzelberger (Alemanha).
40+2 Maier (Alemanha) faz falta.
O árbitro apita para o intervalo.
Começa a segunda parte.
41 Andrea (entra) – Naiara (sai) (Espanha)
42 (0 – 3) Golo de Malinowski (Alemanha)!
43 Petzelberger (Alemanha) marca o canto.
43 Mester (Alemanha) remata à baliza.
45 Leire (Espanha) comete falta sobre Mester (Alemanha).
45 (0 – 4) Golo de Malinowski (Alemanha)!
47 O árbitro diz que Amanda Sampedro (Espanha) estava fora-de-jogo.
48 Malinowski (Alemanha) remata à baliza.
48 Rolser (Alemanha) é apanhado em fora-de-jogo
50 (0 – 5) Golo de Malinowski (Alemanha)!
51 Nieves Motoso (entra) – Leire (sai) (Espanha)
51 Ana (Espanha) faz falta sobre Götte (Alemanha).
53 Simon (Alemanha) faz falta.
57 Doppler (Alemanha) comete falta sobre Amaia (Espanha).
61 Maier (Alemanha) faz falta sobre Nieves Motoso (Espanha).
63 Götte (Alemanha) remata à baliza.
67 Ana Martínez (Espanha) faz falta.
67 Cartão amarelo para Ana Martínez (Espanha).
67 (0 – 6) Elsig (Alemanha) converteu o penalty.
68 Wensing (entra) – Vetterlein (sai) (Alemanha)
68 Eberhardt (entra) – Petzelberger (sai) (Alemanha)
70 Nieves Motoso (Espanha) comete falta sobre Maier (Alemanha).
70 Nieves Motoso (Espanha) vê o cartão amarelo.
71 Doppler (Alemanha) remata à baliza.
72 Hartmannsegger (entra) – Rolser (sai) (Alemanha)
77 Mester (Alemanha) remata à baliza.
80 Mester (Alemanha) remata à baliza.
80 (0 – 7) Golo de Malinowski (Alemanha)!
O árbitro apita para o final do jogo.
Espanha Alemanha
1 Sandra Paños 1 Sarholz
3 Laura 2 Maier
5 Yazmina 3 Elsig
6 Ana 4 Vetterlein
8 Leire 5 Simon
9 Esther 6 Götte
10 Amanda Sampedro 7 Rolser
11 Amaia 8 Mester
14 Gema 9 Malinowski
15 Leticia Méndez 10 Petzelberger
18 Naiara 11 Doppler
Banco Banco
13 Berta 12 Benkarth
2 Ana Soler 13 Eberhardt
4 Ivana 14 Hartmannsegger
7 Nieves Motoso 15 Breitner
12 Manuela 16 Wensing
16 Ana Martínez 17 Blessing
17 Andrea 18 Cengiz
Treinador Treinador
Ángel Vilda Ralf Peter

Árbitro

Katalin Kulcsár (HUN)

Árbitros assistentes

Åsa Olsson (SWE)

Seçim Demirel (TUR)

Quarto-árbitro

Simona Ghisletta (SUI)